rogbenites@gmail.com

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

polêmica entre Niall Ferguson e Martin Wolf por Roberto Robaina

O Financial Times tem sido o palco - reproduzido na Folha de SP - da polêmica entre dois intelectuais orgânicos da classe dominante. Wolf critica Ferguson porque considera que o professor está fazendo o jogo dos conservadores ao prever que os EUA seguirá a Grécia em sua crise de inadimplência. Numa das criticas sustenta que os dados de Ferguson de que a dívida púbica federal norteamericana excederá o PIB em 2012 é falso. Wolf cita um professor de Berkeley que diz que a mesma será em torno de 70%. Considerando que o PIB dos EUA está em torno de US$ 15 trilhões, podemos de fato concluir que é uma montanha de dívida. E que as pressoes e incertezas acerca da capacidade de pagamento se farao sentir em algum momento. Mas segundo Wolf o argumento de que a crise grega atravessará o Atlantico não passa de histeria.


No posicionamento de Wolf existe uma defesa explícita do política fiscal adotada durante a crise pelo governo Obama. Completamos, aliás, o aniversário do pacote fiscal de US$ 787 bilhões que ajudou bancos, empresas, seguradoras, etc. Foi um clássico pacote keynesiano. Seja dito que ainda tem setores da esquerda que negam o caráter keynesiano dos atuais planos, caracterizaçao oposta aos fatos.

Segundo Wolf, a posição de Ferguson visa criticar esta política fiscal sustentando uma política irreal - dos republicanos dos EUA - de alicerçar a defesa contra a crise apenas na política monetária. Os republicanos querem tirar proveito do descontentamente popular com o pacote e ganhar as eleiçoes legislativas de novembro. Nisso tudo Wolf tem também toda a razao. Sem o pacote fiscal o regime do capital entraria numa depressao pior do que a de 1929 nos EUA. Quando os capitalistas do partido oposicionista burgues nao dizem isso é porque estao simplesmente mentindo. Os socialistas que nao estao interessados em defender o capital podem denunciar tal plano, nao eles. O aprendizado burguês de economia mais claro no século XX foi: seguir os conselhos de Keynes de promover a dívida pública quando a reduçao de juros não é suficiente. Nos EUA claramente nao era; os juros ja eram baixo antes da crise de 2007 estourar e o tamanho da crise derrubou qualquer possibilidade de investimento privado pesado sem o empurrao fiscal. O que Wolf porém tenta esconder é que a dívida federal é um fator de instabilidade. Neste sentido a crise grega nao é um evento isolado. Nao existe almoço grátis keynesiano. E Ferguson nisso está mais certo do que Wolf ao comparar os EUA com a Grécia.

Nenhum comentário: