rogbenites@gmail.com

domingo, 31 de janeiro de 2010

Para que serve(m) os vereadores?

Iniciar o ano com o lixo putrefato em frente as nossas casas, com o hospital fechado, ter que tomar banho com as vacas e os cavalos no  batuva, aguentar as ruas emburacadas e escuras é demais para o nosso povo, eles os que detem o poder sempre tem uma desculpa para sua incompetencia e desrespeito para com o povo, nós por outro lado nos sentimos atados vendo tanta semvergonhise dos governos. Somos o resultado de nossas escolhas? Creio que sim, temos dado resposta para os que votam no PSOL e também para aqueles que não votaram em nós. Agora com o projeto do estacionamento rotativo, mais uma vez querem taxar o povo e os trabalhadores, assim como a nova taxa de iluminação pública, mais tributos.
Mas afinal para que serve a camara de vereadores de Livramento? deveria ser para fiscalizar o executivo, criar, legislar sobre leis que beneficiem a comunidade. Mas o que temos, vereadores com alissimos salários, distribuindo cargos a acessores que nem vão na camara,   muitas homenagens, titulos e audiencias públicas que não dão em nada, a não ser manchete de jornal e falatório nas rádios, pagas com o dinheiro do povo.

livramento tem que dar um basta nesta vergonha, porque não propuseram audiencia pública na criação dos 40 cargos e 5 secretarias do Wainer?

Na realidade eles estão todos juntos, ou no governo federal, estadual ou municipal, mas não conseguem atrair investimentos, ou por incompetencia ou por falta de represetatividade política.

Correio do povo eleições 2010

PSol quer o apoio do PSTU e do PCB




O PSol, que já confirmou a pré-candidatura do vereador Pedro Ruas ao Piratini, intensificou os contatos com PSTU e PCB. “A intenção é repetir a coligação que fizemos em 2006 entre os três partidos”, disse Roberto Robaina, presidente do PSol do RS. O PSTU, que lançou Vera Guasso ao Estado, admite abdicar da cabeça de chapa, mas faz ressalvas. “A união depende do programa de governo”, avisou Júlio Flores, presidente do PSTU da Capital.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

direto do blog da Luciana Genro

Nesta sexta-feira, 29, a militância se reuniu no novo comitê do PSOL, na Av. João Pessoa, 911, para participar do seminário ‘Estratégia Socialista do Século XXI’, que contou com explanações da deputada federal Luciana Genro, do presidente estadual do partido, Roberto Robaina, e do sociólogo Israel Dutra. A atividade foi aberta com a intervanção teatral ‘Assuma a sua negritude’, apresentada pela companheira Janine, que dedicou a performance a Luciana, já que seu mandato conseguiu a aprovação de uma emenda referente ao projeto de reconhecimento dos clubes sociais negros. A deputada ficou emocionada com a homenagem.



Em seguida, o vereador de Porto Alegre Pedro Ruas abriu a apresentação do debate, esxplicando que a atividade foi pensada para marcar o final do Fórum Social Mundial 10 Anos e também uma definição do PSOL para o ano que começa: “Questões que não se esgotam em um ano, mas que seguirão presentes no século XXI.” Para Ruas, o debate sobre estratégia “justifica e formaliza” a tática partidária. “Tenho muito orgulho de ver este espaço lotado mesmo numa sexta-feira de pré-feriadão na Capital, e de ter aqui a meu lado três fundadores do PSOL para este debate de formação.”





Luciana abriu o debate

Luciana iniciou sua fala lembrando que, no PSOL, momentos de debate política são muito importantes, “pois é quando podemos nos preparar para os embates que vêm pela frente”. À deputada, coube falar sobre a experiência do PT e as lições que podem ser apreendidas com os acertos e erros da sigla: “É uma história que se mistura com a minha, já que completei 39 anos neste mês e passei quase 20 no PT.” Para Luciana, o maior erro do antigo partido foi abandonar o projeto de “independência de classe dos trabalhadores, seu traço mais importante”. Ela frisou que esse foi o maior motivo de sua ruptura, junto com Heloísa Helena. “Não foi porque o PT não era revolucionário, mas porque não implementou as próprias reformas que pregava. Já no governo Olívio, aqui no Estado, houve embates contra os trabalhadores, e os deputados petistas foram obrigados a votar contra os professores. E votaram, à exceção de mim. O MES – Movimento de Esquerda Socialista, nossa corrente, já estava atento a isso, desde 1989.”



“Hoje, sabemos que nem as reformas são capazes de construir o socialismo, pois o estágio atual do capitalismo só oferece mais ataques ao povo trabalhador, os reformistas precisam se tornar neoliberais para executar suas reformas (…) O PSOL é um partido com estratégia e com um núcleo de direção revolucionário que não abandona o diálogo com as massas. Não queremos falar sozinho nem apenas ganhar eleições, mas chegar às massas e aglutinar a vanguarda.”



Israel se propôs a resgatar a história da esquerda no Brasil para pensá-la para o futuro. “A esquerda, ao contrário do que prega a grande imprensa, não foi figurativa na história, e sim, participou de todas as importantes lutas do século XX, e deve seguir nessa perspectiva no século XXI”, disse, citando os principais movimentos ligados à esquerda que ocorreram no país. Sobre estratégia, ele colocou que “a tática deve ser a sua refração, e que, para isso, a militância tem que por as mãos à obra, e levar a luta a sua rotina”. Robaina optou por falar sobre Lênin: “Acho que vale a pena neste painel falar de quem nasceu ainda no século XIX, e que reivindicamos como chefe de nossa estratágia, pois, na essência, temos as mesmas estratégias. Lênin é de uma época em que surgiram os embates entre a burguesia e a classe trabalhadora, e ele já dizia que a tática dos trabalhadores deveria ser a intervanção no dia-a-dia. Não há como formular estratégia sem ter uma teoria, e essa é nossa diferença gigantesca em relação ao PT, que se tornou oportunista ao chegar ao poder. Nós pensamos e sabemos o que pensamos.”



“Lutamos no presente para ter um futuro diferente”, disse Robaina.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Base do governo Lula falhou na Santa Casa

A reportegem de hoje do jornal a Platéia deixa claro que a articulação feita por nós, do PSOL quando construimos a Frente em Defesa pela Santa Casa, para solucionar os graves problemas que a instituição enfrentara, como a divida tributária, trabalhista, fornecedores e a falta de investimento que aumentaria a complexidade do hospital, era uma decissão política, por isso envolvemos todos os representantes dos governos, federal, estadual e municipal sendo que por 3 meses funcionou acontento, pois tivemos avanços significativos, principalmente nos temas propostos acima.

Com a entrada e condução pela direção do sindicato no cenário com viés político eleitoreiro, tirou-nos fora do tabuleiro, apostou nas audiencias públicas na camara de vereadores, através da comissão de infra-estrutura, composta por Glauber, Carine e Germano, que não rendeu nada, a não ser manchetes de jornal e entrevistas a rádios, haja visto, que Glauber é pré candidato a dep. estadual.

A deputada Emilia Fernadez participou de várias reuniões com ministros de seu governo, para tratar do assunto, muitas foram as promessas, mas até o momento o que temos de concreto é o hospital fechado, com as dividas sendo cobradas, ou seja os representantes do governo federal, Beto Albuquerque, Ico Charopen e seus aliados falharam, ou por questão de incompetencia ou falta de poder político.


Resta ao povo dar a resposta para os governos LULA/YEDA/WAINER que fecharam o hospital nas urnas em outubro próximo, fazendo a justiça através da nossa unica arma o voto

Por Roberto Robaina Eleições RS

Informações do Jornal da Band

Tarso Genro, do PT, lidera a corrida pelo governo do Rio Grande do Sul, de acordo com uma pesquisa da Vox Populi. Ele foi o preferido por 34% dos eleitores ouvidos, seguido por José Fogaça, do PMDB, com 31% das intenções de voto.

A atual governadora Yeda Crusius, do PSDB, é a escolha de 7% dos entrevistados. Beto Albuquerque, do PSB, e Pedro Ruas, do PSOL, têm 2% das intenções.


Num segundo cenário, sem Beto Albuquerque, a situação ficaria assim: Tarso Genro em primeiro com 34%, e José Fogaça em segundo com 30%. Yeda Crusius teria 7% do eleitorado e por Pedro Ruas 3%.


Até aqui só reproduzi o que diz o jornal. Agora vai: o PSOL luta para construir um pólo alternativo para abrir uma real perspectiva de renovação e de um poder de novo tipo. Como somos gente de luta e de disputa, nao apenas comentadores, vale lembrar que Rigotto começou com 3%. E Chavez, em 1999, começou sua campanha eleitoral vitoriosa também com 3%. Estou longe da idéia de fazer previsão neste terreno porque as previsões em política devem ser instrumentais. E nosso instrumento agora é a disputa. O que quero ressaltar é que já somos um pólo, ainda começando, dando nossos primeiros passos. Mas estamos decididos a disputar nas urnas e nas ruas. Para disputar influência junto ao povo e contribuir para que o povo conquiste consciência em suas próprias forças e em suas lutas e organização independente. E nao deixo de lembrar que Fogaça e Tarso são do PMDB e do PT, ambos partidos coligados no governo federal. Governo que mantém o assalto aos cofres do Rio Grande via o acordo desastroso e nao revisto sobre a dívida estadual. Enfim, aí está o PSOL, presente e na luta.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

indagações sobre a Santa Casa continuação...

A questão não é política, é técnica. Por ser tratada politicamente por muito tempo chegamos ao quadro atual. Enquanto houverem sonhadores, não haverá solução. É claro que existem trabalhadores demais para serviços de menos. Mas não é o único problema. Médicos que se utililizam da estrutura tambem deverão sofrer as conseqüências da reestruturação, pois tambem são uma das pontas do problema de Saúde de Sant’Ana do Livramento. Uma condução profissional vai beneficiar a comunidade como um todo. Mas com certeza, fazer uma grande omelete exige uma quebração de ovos. Sempre.

Discordo de ti, para nós sempre foi uma questão política, tanto é que ficou claro, que falta é representatividade que tenha posição, firmeza, temos quantidade, mas falta qualidade. Em nossa cidade estão representados os governos Lula/Yeda, o próprio governo Wainer é base aliada, dos governos federais e estaduais, temos uma deputada federal de livramento, e o que conseguiram, renegociaram a questão tributaria, não, a questão trabalhista, não, conseguiram recursos, não, exigiram auditoria para saber onde foi parar os recursos desviados, não, e o que aconteceu?
O hospital acabou fechando suas portas, por incompetência dos administradores, pela pressão médica (CREMERS), e por culpa do governo Wainer, pois sempre que os médicos requisitavam aumento salarial, Wainer para manter a média, visando se reeleger acabava dando o que os médicos pediam.

Nós do PSOL, queremos que o hospital reabra o mais breve o possível para atender a população pobre, temos certeza que abrirá, por isso sempre estaremos fiscalizando, pois onde tem recurso públicos, e lá tem e terá, será de nossa conta.

indagações .....

POLITICO QUE PENSA ASSIM NÃO VÊ A REALIDADE, NUNCA DEIXA DE SER UM POBRE E IGNORANTE

Não deixo de sonhar com uma sociedade justa, igualitária, fraterna e socialista, entre meus sonhos está de transformar a Santa Casa em um hospital Federal, totalmente pelo SUS. Pode ser utopia para muitos, mas se nos unirmos e formos conscientes em nossas escolhas este sonho poderá tornar-se realidade, só depende de nós.

continuamos com as indagações...

A SANTA CASA DEVE SER VISTA COMO EMPRESA, PARA CRESCER E SE ESTABILIZAR....

Até mesmo as empresas privadas estão tendo em suas estratégias a responsabilidade social, o emprego é uma delas. Agora todos querem que ela seja vista como uma empresa, mas na época da eleição estar pintada e ter uma fonte jorrando água todo o dia, serviu para eleger prefeito e vereadores, ou achas que o povo soubesse dos desvios de recursos, da corrupção o cenário político seria outro não é verdade.

seguimos nas indagações....

ATÉ QUANDO TEREMOS QUE DIZER AMEM AOS TRABALHADORES DO HOSPITAL??????????????

Não foram os trabalhadores que desviaram os 500 mil dos cofres do hospital, não foram os trabalhadores que dirigiram, contrataram, abriram mão de receitas em beneficio de grupos que exploram o hospital.Se existe uma classe que sempre lutou pelo hospital e pela comunidade, foram os funcionários do hospital, certamente foste atendido ou alguém da tua família pôde acompanhar o carinho e atenção dos funcionários, tanto é que apesar do hospital estar fechado, todos reconhecem o trabalho e dedicação desta categoria tão sofrida.

Blog do Rogério Benites: Algumas indagações sobre texto da Santa Casa...

Blog do Rogério Benites: Algumas indagações sobre texto da Santa Casa...

Algumas indagações sobre texto da Santa Casa...

Recebi um fedeeback de um amigo com estas indagações que quero repartir com os leitores e com o povo santanense.

E O POVO O POVO DEVE PAGAR PARA MANTER ESTES 30% NO EMPREGO????????

Quero dizer inicialmente, que a indagação, contradição, discordar e concordar, com o que escrevo, penso e realizo é fundamental para que possamos construir uma sociedade mais justa e igualitária.

´É necessário sabermos que nós o povo pagamos com os impostos, que estão embutidos em todos os produtos e serviços, pagamos muito caro, para que tenham uma idéia a carga tributária no Brasil hoje está em 39% no PIB, ou seja, temos que trabalhar 4 meses para pagar impostos ao Estado (União, Estado e Município), que deveriam nos proporcionar segundo a constituição Saúde, Educação, Segurança......

E o que temos? hospitais fechados, pacientes sem atendimento, desvios de recursos, corrupção, falta de medicamentos, falta de leitos, mais corrupção, narcotráfico, prostituição, desemprego etc..... Então é necessário distinguir entre o que é público e privado, público como bem diz a palavra é de todos, deve ser usado, ou, investido em beneficio da coletividade, privado é de pessoa física ou jurídica de interesse próprio, ou, que tem dono. O que é público, principalmente os recursos públicos nos interessa e muito, pois devem ser em beneficio da coletividade, deve ser investido para suprir as necessidades sociais do povo, essencialmente dos trabalhadores, e não ser desviado para a iniciativa privada, ou grupos empresariais que investiram nas campanhas eleitorais dos governantes.

Todos devem ter acompanhado o noticiário a respeito da Santa Casa, lembram-se do ano de 2008, podem pesquisar no site da Platéia, julho e agosto de 2008, o hospital estava no auge, tinha gestão da qualidade, gestão financeira.
Naquele momento a Santa Casa chegou a ter 398 funcionários, vocês sabiam?

Criaram vários cargos, com altos salários, recebendo em dia, os funcionários repercutiam o que a direção queria, o hospital esta muito bem obrigado, lá estiveram no período eleitoral, o candidato Wainer, reafirmando que se ele fosse eleito, o hospital continuaria sendo referencia, e, que os trabalhadores continuariam recebendo em dia. Lá também estiveram os candidatos, Ico e Elifaz, fazendo as mesmas promessas, firmando os mesmos compromissos, inclusive o diretor Sr. João, investigado pela PF pelos desvios, ao qual foi indicado pela candidata assessora de Eliseu Padilha (envolvido na corrupção do Detran), hoje vereadora Carine e abonado pela direção do sindicato e que seria o secretário da Saúde do governo do Ico.

Porque será que nós, tendo uma candidatura a prefeito, que defendia o hospital, que queria aumentar sua complexidade não fomos convidado a palestrar no seu interior?

Porque denunciamos a corrupção e provamos que lá existia, (Vide desvios de mais de 500 mil), nós lutamos pelo hospital e pela saúde á muito tempo (Vide mais de 1 milhão em emendas destinados ao hospital pela nossa deputada federal Luciana Genro e também 500 mil para construção de postos de saúde). Lutar pelo hospital é lutar pelos trabalhadores, lutar pelo emprego, pelos usuários dos SUS. Nós propomos tratar os funcionários com respeito e dignidade, pois sabemos e reconhecemos sua importância, valorizamos seu trabalho e sempre vamos valorizar.

Qualquer cidadão sabe que são as pessoas que levam as instituições para frente, sempre foi assim com a Santa Casa, os funcionários sempre foram os sacrificados, imagine estar sem o FGTS há 19 anos, com perdas nos salários, serem ameaçados, filmados, observados, explorados durante todo este tempo, dar carinho e atenção para toda a comunidade, passar noites acordados com um copo de leite frio em um pãozinho, passar noites abaixo de geadas em bancos de madeira, muitas vezes sem receber, bota ter amor na profissão.

Quando os governos LULA/Yeda/Wainer os abandonaram definitivamente, fechando o hospital aceitando as demissões, eles, os trabalhadores, ainda tem que pagar a conta, serem demitidos sem indenização, há de concordar, é demais a injustiça que estão fazendo os governos e os governantes de plantão. Falo e tenho esta posição porque ali tem recursos públicos, do Estado nos três níveis, sendo assim deve ter responsabilidade social, manter o emprego, gerir bem estes recursos, possibilitar transparência é o mínimo que podemos exigir.

Lula vai a Davos por Luciana Genro

         Não surpreende que Lula vá a Davos, novamente, e seja muito elogiado pelos banqueiros e grandes empresários lá presentes. O estranho é que desta vez, ao contrário de 2003, os organizadores do Fórum Social Mundial elogiem a decisão do presidente, e não mais a critiquem como ocorreu no primeiro Fórum após a sua eleição. Ontem na marcha vimos também que o objetivo dos organizadores era muito mais realizar uma marcha festiva do que de luta. Muita música e poucas palavras de ordem! Com a ausência de Chávez no encontro dos presidentes hoje à tarde, que virou mesmo é um encontro com Lula, também perdeu-se o caráter combativo deste evento. Vai ser um ato eleitoral para Dilma?

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

O sindicato do patrão dá aval as demissões na Santa Casa

         Na Assembléia dos trabalhadores da Santa Casa realizada na última sexta-feira 22 de janeiro na câmara de vereadores, a direção do Sindisaúde na figura do seu presidente Paulo Silva, propôs aos trabalhadores que lotavam o plenário, o Plano de Recuperação do hospital, feito pelo Mãe de Deus, contratado pelo governo Yeda, pelo secretário da Saúde Osmar Terra em conjunto com o prefeito Wainer para reabrir o hospital fechado a mais de 90 dias.


As propostas apresentada na assembléia foram às seguintes:

1° Demitir 30% dos trabalhadores e suspender o contrato dos restantes por prazo indeterminado.

2°Demissão de todos os funcionários.

3°Suspender o contrato de todos os funcionários por tempo indeterminado.



         Nós como sabíamos da intenção de demitir, proposto pelas principais figuras políticas e do próprio sindicato, tratamos de colocar algumas contradições em parte da direção do sindicato, principalmente aconselhando o Silvio vice-presidente e líder do movimento dos trabalhadores, muitos acreditavam que não iria se render ao poder de argumentação da FESSERS, CUT e aos governantes de plantão. Silvio em muitas assembléias dizia-se preparado para enfrentar a hora “D”, como ele bem dizia que seria a hora que os patrões viriam com a proposta de demissões e que ele e a direção do sindicato aceitariam, mas, desde que os trabalhadores fossem pagos, indenizados como é de direito.

         Nós por outro lado, pautávamos pela “Não Demissão”, de nenhum trabalhador, porque sabemos que esta atitude não é a solução para o hospital, pois aumenta o passivo, assim como as retiradas das receitas do hospital através de ações judiciais, aumentará também o caos social em nossa cidade, gerando mais desemprego, argumentamos ainda que as demissões não seriam técnicas e sim políticas, pois os indicados pelo prefeito, vereadores, os puxa saco do patrão, os envolvidos no esquema de corrupção continuariam trabalhando. Os prejudicados seriam os trabalhadores mais humildes as mães de família, quem realmente precisam trabalhar para dar sustento a sua família dignamente, estes sim seriam os que perderiam o seu emprego.

Sem saber das propostas acima trabalhei para aconselhar, firmar a nossa posição, com a direção do sindicato, principalmente com Silvio o Vice que, em muitas vezes enfrentará o próprio presidente em algumas posições. Propus a diversos companheiros que estavam em diferentes grupos, espalhados pela praça, que não aceitassem as demissões sem indenização, como era a proposta da direção do sindicato.

          Após a explanação das propostas, e os trabalhadores deveriam escolher entre uma delas, tratei de construir a 4° que seria dizer as tres anteriores não nos serve nenhuma, dizer não as demissões, fora Mãe de Deus e a direção do hospital. Silvio em sua fala inicialmente veio a encontro de nossa proposta, mas recuou logo a seguir, “deveríamos apresentar a 4° proposta que seria dizer não as demissões, fora mãe de Deus e a mesa diretiva do hospital, os trabalhadores aplaudiram, ele continuou, mas não podemos ser irresponsáveis neste momento, onde a comunidade espera que reabra o hospital e nós não seremos o empecilho, dando um banho de água gelada nas minhas intenções”. Como cordeiros que irão para o abate sendo a morte certa os funcionários nem mesmo esboçaram reação sobre as três propostas apresentadas, com medo de represálias, pois o terror a perseguição ainda procede naquela instituição, ou porque talvez o silencio manteria alguma chance de permanecer entres o que não serão demitidos.

Como forma de protesto e por desespero mesmo, pois não agüentam mais esta situação, votaram na demissão imediata de 30% do quadro funcional e a suspensão do contrato dos restantes, ou seja, é o fim.

          Quem sempre foi pelego sempre será pelego, defendem o social, defendem os patrões, defendem o bolso deles manipulando um povo desesperado e sem alternativa para resistir. Assim age a CUT e seus sindicatos e os representantes do governo Lula/Yeda/Wainer. É muito triste esta situação, ao invés de lutar por manter o emprego dos trabalhadores, o hospital aberto para atender a população, exigirem auditoria para saber onde foram parar os 500 mil que desviaram dos cofres do hospital, a direção do sindicato que tem estabilidade para fazer estas lutas se entrega, fazendo com quem pague a conta seja os mais humildes, o povo, os trabalhadores.





Rogério Benites.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Seleção de Rivera x Gremio Bagé

        Ontem assisti o jogo treino entre os dois times no estádio Atilio Paiva em Rivera, onde o Gremio Bagé venceu pelo placar de 2 x 0 a seleção de Rivera, demonstrando um melhor preparo fisico que os uruguaios. A seleção de Rivera está disputando o campeonato do interior do Uruguai, já o Bagé estreiará dia 31 de janeiro contra o 14 de julho em casa, no pedra moura sua participação na segundona gaúcha.  O ingresso ao preço de R$ 3,00 , mesmo sendo popular, para um clássico de rivalidade entre os dois países, não foi concorrido pelo torcedores tanto de um lado, quanto de outro da fronteira, se teria 100 torcedores era muito.

        Somente ao chegar próximo ao estádio, quem conhece sabe seu simbolismo, pois ali na região estão os principais clubes de Rivera, Oriental, Huracan, Penharol e claro o própio estádio que foi quase que totalmente reformado em 1995, para a realização da Copa América de Seleções. Ao entardecer curtir um jogo aguerrido, suado, brigado, em um belo estádio que tem capacidade para 27 mil expectadores, que mantém um gramado invejável, perfeito para realização das belas jogadas, das arrancadas espetaculares, dos dribles desconcertantes.

       O primeiro tempo as equipes trataram de estudar um a outra, com jogadas lançada a aréa somente e pouca chance de gol. Na segunda etapa os técnicos fizeram modificações nos esquemas táticos com as trocas de alguns atletas. Lógicamente um jogo entre dois times de diferentes países, já é motivo para disputa mais asperas, não poderia ser diferente entre brasileiros e uruguaios, ainda mais agora que os uruguaios se classificaram para a copa da africa de 2010, estão cheios de moral. A seleção de Rivera cansou, o Bagé aproveitou-se e marcou seus dois gols na pressão, em uma bela jogada pela linha de fundo, alçada a aréa e de cabeça o centrovante guardou no fundo das redes, o outro gol o atacante chutou o goleiro deu rebote e o jogador do Bagé chutou para as redes. Quando o clima quis ensquentar, o jogo foi encerrado, terminando sem brigas, graças a Deus. Outro espetáculo a parte é a iluminação do estádio, perfeita o azul da luz contrastanto com o verde do gramado é maravilhoso, muitas outras histórias vieram a mente, mas serão escrita em outra oportunidade, de concreto foi muito bom para descontrair, deixar a mente livre e recordar. No entanto observar a forte equipe do Bagé, foi positivo, esta equipe certamente dará muito trabalho para o 14 de julho tanto lá em Bagé quanto qui em Livramento.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Assembléia dos trabalhadores da Santa Casa

         Acabo de chegar da assembléia dos funcionários da Santa Casa, assembléias estas que foram definidas em comum acordo entre os trabalhadores de acontecerem todas as terças-feiras. Devido estarem em férias coletivas desde o último dia 23 de dezembro de 2009, ficára acertado entre a direção do sindicato e os trabalhadores. Os trabalhadores em torno de 100, estavam aflitos pelas últimas informações via jornal e rádios,  até mesmo devido ao mau tempo as últimas duas assembléias não se realizaram. No horário marcado a direção do sindicato chamou os funcionários para avisar que a assembléia tinha sido transferida por indicação de seu presidente para a próxima sexta-feira e que amanha terá uma reunião muito importante na prefeitura entre o MPT, prefeitura, hospital e funcionários para decidir certas questões.

         Para quem está acompanhando os fatos de perto e com interesse, a direção agindo desta forma desrespeitou mais uma vez os trabalhadores, que se deslocaram de diversos pontos da cidade para saber as novidades, para buscar informações. Haja visto que a direção do sindicato esteve na reunião do último final de semana em Porto Alegre. Ou seja um total descaso com as pessoas que lá estiveram.

        Conversei com alguns colegas, a falta de informação é geral, os disque-disques são muitos, que fulano falou na rádio tal, que a reportagem do jornal tal, mas de concreto não temos nada.

Ninguém sabe quando o hospital irá reabrir, uns falam que daqui a 90 dias, outros que não irá reabrir mais e que somente estão esperando chegar a seis meses fechado para decretar a falencia.

         O que se percebe que já está tudo certo, existe um jogo de cartas marcadas onde está tudo certo e acordado entre eles, os poderosos os detentores do poder, somente a população e os trabalhadores é que estão de fora, anestesiados, amordaçados perante a situação.

Santa Casa de todos nós?

         Como não poderia ser diferente, até mesmo pela minha história o primeiro ou a primeira postagem de meu blog é a respeito do Hospital Santa Casa de Misericórdia.
No jornal de domingo, foi anunciada a ajuda ao hospital, onde o Estado entrará com R$ 1.800 ( Um milhão e oitocentos mil reais), para a reforma da pediatria e a consturção da UTI  tipo ll. A prefeitura aumentará seus repasse de R$ 230 mil para R$ 420 mil e assumirá os funcionários que segundo os técnicos do Mãe de Deus terão que ser demitidos, nos programas SAMU salvar que estará um funcionamento dentro de 90 dias e no UPA (Unidade Pronto Atendimento), que será construida em nosso municipio, segundo o prefeito.

         Se de fato os recursos vierem para a construção da UTI aumentando as receitas do hospital será uma vitória realmente, agora reformar a pediatria que era uma das mais conservadas alas do hospital e que recebeu a alguns dias atrás a devida atenção do pessoal da ACIL, é algo contraditório. Assim como é contraditório a posição de Wainer que afirmava viemente que não colocaria recurso algum no hospital e agora quase que duplica o repasse. A sociedade deve saber o quanto destes recursos serão realmente destinados ao hospital para cobrir seus custos e quanto serão para pagar o complemento dos salários dos médicos, nós do  PSOL vamos cobrar estas informações.

        Se os atores políticos que detém o poder tivessem compromisso com o povo, o hospital não estaria fechado a tres meses, se os governos LULA/YEDA/WAINER tivessem trazidos nossas emendas que beneficiava o hospital em 2007, a situação certamente seria outra, aumentaria-mos a complexidade, construindo uma UTI Neonatal por exemplo, adquiria-mos equipamentos para neurocirurgia.  Propomos na época e continuamos a propor  a FEDERALIZAÇÃO  do hospital, para que os pacientes SUS recebam o atendimento digno e para que o hospital seja referencia positiva na região,  desta forma não sofrerá nunca mais com más administrações, corrupção, falta de depósitos do FGTS.

         Entrento o que é de fundamental importancia  é a reabertura do hospital, o mais breve possivel, é inadmissivel uma cidade do porte de Livramento ficar tres meses com o único hospital que atende pelo SUS  a população estar de portas fechadas pela incopetencias dos governantes, que usam esta instituição centenária para manobras e interesses políticos. O que de fato concreto e ficará na história é de que nos governos  LULA/YEDA/WAINER o hospital fechou suas portas para a comunidade.